Painel 4 - Desenvolvimento e impacto ambiental no século XX.

Estamos analisando a formação do espaço geográfico brasileiro ao longo de 500 anos. O espaço geográfico é construído através de caminhos históricos de todas as sociedades. Com isto, podemos entender o impacto ambiental e os problemas humanos que vivenciamos hoje.

Tópico 1 – Impacto ambiental: o Brasil do século XX.

Charges em jornais da época do império_BDWebB
Charges em jornais da época do império_BDWebB

Impacto ambiental e qualidade de vida

 

Ao pensarmos em impacto ambiental, temos de considerar dois aspectos:

  1. as modificações que sofre o meio ambiente;

  2. a qualidade de vida da geração que vive o problema de devastação ou comprometimento do meio ambiente e as futuras gerações, quando o problema se agrava, caso não seja tomada nenhuma medida para minorá-lo.

Cartaz publicitário de café_BDWebB
Cartaz publicitário de café_BDWebB

O custo e o benefício da ocupação de uma região

Temos ainda de considerar a relação custo/beneficio entre o processo de exploração e o processo civilizatório de ocupação da região.

 

A ocupação de uma região

Não há como ocupar uma região sem que haja um percentual de devastação ou modificação considerável do meio ambiente.  

 

Metas 

O que se busca é ultrapassar o desequilíbrio inicial e alcançar um novo equilíbrio em que se possa administrar os prejuízos e, conscientemente, orientar o desenvolvimento, compatibilizando-o com a preservação ambiental e com a qualidade de vida básica.  

 

Tópico 2 - A República

A Primeira Fase da República - 1ª República

A República Brasileira pode ser pensada em algumas fases que têm como características de maior ou de menor grau de desenvolvimento e, consequentemente, de maior ou de menor impacto ambiental na construção do espaço geográfico do país. Vamos analisar estes momentos.

Proclamação da República_Correio do Povo_BDWebB
Proclamação da República_Correio do Povo_BDWebB

A primeira fase da República - de 1889 até 1930.

A Proclamação da República, em 1889, ensejou a uma reação das oligarquias agrárias brasileiras que exigiram uma nova constituição.

 

O Governo Provisório

O Governo Provisório do Marechal Deodoro da Fonseca acabou por convocar uma Assembléia Nacional Constituinte para elaborar a primeira Constituição Republicana do Brasil, promulgada em 1991, adotando:

  • O presidencialismo.

  • O federalismo.

  • A separação da Igreja do Estado.

 

Foto de casamento em 1900_BDWebB
Foto de casamento em 1900_BDWebB

Passagem do poder dos militares aos civis

Os primeiros momentos da República foram de crise institucional e adaptação às normas democráticas. Os militares tinham predominância nesta fase, desde a Guerra do Paraguai, e a passagem para um governo civil só se deu no terceiro mandato, com o Presidente Prudente de Morais (1894 – 1898).

 

 

A principal crise política dos governos civis

A crise política e sucessória que começou a partir do governo Campo Sales, que dava mais importância aos governadores de estados, preferencialmente os grandes estados, São Paulo e Minas, em detrimento dos partidos políticos, do Congresso e dos demais estados da federação.

 

 

Conheça a evolução da modo nos casamentos_BDWebB
Conheça a evolução da modo nos casamentos_BDWebB

"Máquina do tempo: evolução dos vestidos de noiva

O vestido de noiva sempre foi a indumentária dos sonhos da maioria das mulheres e por isso resolvi retratar neste blog um pouco da história do vestido e algumas fotos curiosas.
O branco passou a ser usado oficialmente no final do século XVII, com a rainha Vitória, pois simbolizava a pureza da mulher. No entanto antes o vestido variava de nuances, não havia uma cor definida e o mais habitual era o vermelho.

Na imagem abaixo, podemos observar os noivos e os convidados reunidos em uma foto familiar no final do ano de 1900 ( final do século XVIII). Perceba que a noiva usava um chapéu ao invés do véu e o estilo do vestido era vitoriano..."

 

Ler mais:

http://falardecasar.blog.uol.com.br/ 

Café em Santos_BDWebB
Café em Santos_BDWebB

A política do café com leite

Este período marcou a política da primeira república e foi chamada de “política do café com leite”, pois os presidentes que se alternavam no poder ou provinham de São Paulo (café) ou de Minas (leite), pelo poder das oligarquias locais. O modelo econômico e a construção do espaço geográfico seguiram esta tendência.

 

O modelo econômico

Nesta fase o Brasil manteve-se exportador, principalmente de café e borracha. Era ainda um país agrário, e novas fronteiras produtivas, como no caso da Amazônia (borracha), começaram a ter presença na vida econômica do país.

 

Primeira República: charges da época.

A Primeira República se inicia em seu momento de proclamação - 15 de novembro de 1889 - e termina em 1930. Vamos analisar os problemas humanos e políticos ainda herdados do império:

Império e consequências da Abolição:

A abolição da escravatura em 1888, fez com que a política de imigração no país se desenvolvesse, o que já acontecia desde meados do século XIX.

 

O abandono aos antigos escravos

A partir da Abolição, em 1888, a população negra, que havia sido escrava e seus descendentes, não receberam qualquer encaminhamento ou assistência dos governantes. 

 

Morro do Castelo e cortiços e favelas no início do século XX_BDWebB
Morro do Castelo e cortiços e favelas no início do século XX_BDWebB

Uma situação que perdura até os dias de hoje: a desigualdade social

Os antigos escravos passaram a viver na periferia das cidades ou habitando os morros das cidades e outras áreas degradadas, caracterizadamente no Rio de Janeiro.

 

Foto da Favela da Rocinha_Século XXI_BDWebB
Foto da Favela da Rocinha_Século XXI_BDWebB
Avenida Rio Branco_1900_BDWebB
Avenida Rio Branco_1900_BDWebB

Consequências do desenvolvimento da imigração para o Brasil

 

Nesta fase da Primeira República, o processo de busca de braços para o trabalho no exterior, a imigração, já havia se desenvolvido e, na Primeira República, cerca de 200.000 imigrantes estrangeiros vieram para o Brasil, principalmente italianos e japoneses.

 

Com o trabalho livre havia mais recursos no comércio e o mercado interno começou a crescer e se firmar.

 

Bonde puxado a burro_Início do século XX_BDWebB
Bonde puxado a burro_Início do século XX_BDWebB

Novos hábitos são introduzidos

 

Novas fontes culturais e novos hábitos alimentares e de trabalho foram introduzidos pelos imigrantes que trouxeram inúmeras modificações agrárias e industriais provenientes de seus países, mais desenvolvidos que o Brasil da época.

 

 

Rio, início do século XX_BDWebB
Rio, início do século XX_BDWebB

Conseqüências do cenário de desenvolvimento industrial no final do Império

 

O parque industrial brasileiro para bens de consumo começou a se impor, havendo um considerável aumento na:

  • Indústria têxtil (60% da força de trabalho).

  • Indústria de alimentação (15%).

  • Indústria química (15%).

  • Madeira (4%).

  • Vestuário (3,5%).

  • Metalurgia (3%).

  • Contingente de operários: de 150.000 operários.

  • Fábricas no Império: 3.200 fábricas, embora ainda fosse uma indústria precária, não tendo condições de disputa no mercado internacional, sendo protegida por tarifas especiais e dedicada a produtos de primeira necessidade do mercado interno.

 

Bairro do Bexiga_SP_1862_BDWebB
Bairro do Bexiga_SP_1862_BDWebB

Um desenvolvimento industrial pequeno na Primeira República

Na Primeira República o desenvolvimento do país foi muito pequeno.

 

>  Crises financeiras e de mercado internacional se seguiam.

 

>  Problemas econômicos e políticos internos, onde grupos de militares advogavam a ditadura.

 

>  As oligarquias buscavam o governo civil e o fortalecimento do poder político no seio das instituições democráticas.

 

Estas foram as características dos governos da Primeira República.

 

 

A partir de 1918, inúmeras indústrias alimentícias vieram para o Brasil, com o objetivo de exportar para o exterior. Entre 1924 e 1929 as condições internacionais de mercado foram favoráveis e isto afetou positivamente nossa economia.

 

Conheça as propagandas de remédios na Primeira República. Clique na imagem e baixe o pdf.

Tópico 3 - A Segunda Fase da República

Em 1929, com o Crack da Bolsa de New York a economia entrou numa crise aguda e o Brasil, muito dependente dos EUA sofreu enormes prejuízos. Entre os anos 30 e 50, um novo perfil mais industrial se consolidará no Brasil.

Período - A segunda fase da República vai de 1930 até a Revolução de 64.

Anúncio do Crack da Bolsa em New York_BDWebB
Anúncio do Crack da Bolsa em New York_BDWebB

Núcleo da crise– Governo Washington Luís – 1926/30.

 

Fatos políticos nucleares– Revolução de 1930 e Estado Novo.

 

Uma nova correlação de forças políticas se articula no país e os estados de Minas e São Paulo perdem a hegemonia política, embora tenham um papel relevante na região sudeste.

 

RJ – polo político

O polo político continua sendo a cidade do Rio de Janeiro, antiga capital do Império e Distrito Federal, capital do país, nesta fase. 

 

Café sendo embarcado no Porto de Santos_BDWebB
Café sendo embarcado no Porto de Santos_BDWebB

Novas forças produtivas no cenário político

 

Novas forças produtivas, especialmente em São Paulo, em face da força dos cafeicultores e a implantação do parque industrial de São Paulo, principalmente com descendentes de imigrantes italianos passa a ter preponderância financeira e política no país, modificando o ambiente econômico.

 

Cartaz de produto industrial da época_BDWebB
Cartaz de produto industrial da época_BDWebB

A indústria siderúrgica e o proletariado

 

A industria siderúrgica é implantada no pós-guerra, como resultado da participação do Brasil na 2ª Grande Guerra Mundial, em Volta Redonda, RJ.

 

O proletariado brasileiro cresce expressivamente e sua força política se consolida durante o período ditatorial de Vargas e nos anos subsequentes.

 

Getúlio Vargas_BDWebB
Getúlio Vargas_BDWebB

Década de 50

A década de 50, após o suicídio de Getulio Vargas, é essencialmente marcante. O mundo encontra-se no pós-guerra, os Estados Unidos saem da 2ª Grande Guerra Mundial como a principal nação da Terra. Novos objetivos de desenvolvimento e de progresso são exigidos pela sociedade.

 

Modificações do modelo econômico

 

Em 1955, Juscelino Kubitscheck de Oliveira (1956 – 1961) é eleito presidente, e o modelo econômico até então agrário e importador sofre uma modificação estrutural havendo um surto de desenvolvimento do setor automotivo e um crescimento das indústrias em todo o país.

 

JK_1957_BDWebB
JK_1957_BDWebB
JK e o primeiro caminhão fabricado no Brasil_BDWebB
JK e o primeiro caminhão fabricado no Brasil_BDWebB

Uma nova face do mercado e do espaço produtivo e político brasileiro

  1. Indústria automobilística - Diversas fábricas de automóvel instalam-se no Brasil.

  2. Brasília - a capital é mudada para Brasília, no Centro-Oeste do país.

  3.  

    Centro-Oeste - Novas fronteiras agrícolas são desbravadas no interior, havendo um grande surto de desenvolvimento, especialmente no Centro-oeste.
  4. Sucessão de JK - JK é sucedido por Jânio Quadros em 1961, que renuncia em alguns meses.

  5. O Golpe militar - Assume Jango Goulart e, em 1964, é derrubado por um golpe militar.

 

Tópico 4 - A Terceira Fase da República

A terceira fase da República, após 64, é caracterizada pela Guerra Fria, em seu inicio, e pelo alinhamento do Brasil à política capitalista no mundo. Nos anos seguintes, o país cada vez mais se internacionaliza e consolida a face de seu espaço geográfico como o conhecemos hoje com problemas estruturais e ambientais.

Brasil_1968_BDWebB
Brasil_1968_BDWebB

Período – A partir da Revolução de 64 até os dias atuais.

  •  

    Características:
    • A terceira fase da República caracterizou-se por um período de 15 anos iniciais de autoritarismo e de supressão das liberdades democráticas.

    • O crescimento da dívida externa do país.

    • Um modelo econômico altamente concentrador de riquezas, tendo o Estado crescido e feito um papel de empresa tipicamente capitalista, como podemos ver pela ação e crescimento da Petrobrás, Eletrobrás e outras empresas do mesmo porte.

 

Anúncio de produto Arno_BDWebB
Anúncio de produto Arno_BDWebB

Características do capitalismo no Brasil , nesta fase:

 

O capitalismo brasileiro, além de retardatário, teve como parceiros investidores norte-americanos, europeus, japoneses em diversos setores num processo de substituição de importações e atrelamento aos grandes grupos multinacionais:

  • Farmacêutico.

  • Químico.

  • Mecânico.

  • Automobilístico.

  • Eletrônico.

  • Metalúrgico.

 

Cartaz de propaganda da Michelan_BDWebB
Cartaz de propaganda da Michelan_BDWebB
Tancredo Neves_BDWebB
Tancredo Neves_BDWebB

 Fim do regime militar

 

O Regime Militar acaba por pressão da sociedade organizada e com a eleição de Tancredo Neves que não assume por morte. Seguem-se os governos Sarney, Collor, Itamar, o primeiro e o segundo governo Fernando Henrique Cardoso e o primeiro e segundo governos de Luiz Inácio Lula da Silva e, nos últimos quatro anos, o governo Dilma Roussef. 

 

 

 

Modelo econômico  - O modelo concentrador de riquezas permaneceu e se tornou mais perverso e a dívida externa e interna atingiram patamares extremamente elevados.

 

 Problemas ambientais - como desmatamento da Amazônia têm, recentemente, sido identificados por satélite e debatidos em todo mundo, como uma ameaça ao aquecimento global.

 

Distribuição da população no Brasil_BDWebB
Distribuição da população no Brasil_BDWebB

Evolução do crescimento populacional no Brasil

 

  • Anexo 1 – População do Brasil

 

O Brasil, ao longo de seus cinco séculos, apresenta o seguinte contingente populacional:

 

Abril de 1500 - 4 portugueses: 2 degredados, 2 grumetes fugidos e 5 milhões de índios (estimativa);

  • 1600 – cerca de 100.000 habitantes;
  • 1700 – cerca de 200.000 habitantes;

  • 1800 – cerca de 4.000.000 habitantes;

  • 1872 – 9.930.478 habitantes;

  • 1890 – 14.333.915 habitantes;

  • 1900 – 17.438.434 habitantes;

  • 1920 – 30.635.605 habitantes;

  • 1940 – 41.236.315 habitantes;

  • 1950 – 51.944.397 habitantes;

  • 1960 – 70.067.185 habitantes

  • 1970 – 93.204.379 habitantes;

  • 1980 – 119.070.865 habitantes;

  • 1990 – 150.367.841 habitantes;

  • 2000 – 169.590.693 habitantes.

  • 2007 - 183.987.291 habitantes

  • 2010 - 191,5 milhões de habitantes (estimativa)
  • 5565 municípios - 58 milhões de domicílios
  • Fonte: http://www.ibge.gov.br/home/

 

Hoje o Brasil é a quinta nação mais populosa do mundo.

 

Exercício-debate P4

 

Descreva num texto de dez linhas a evolução do modelo econômico brasileiro ao longo do século XX. Quais os fatos mais marcantes que contribuíram para estas modificações?

 

Entrar em Exercício-painel 4.

 

                Retornar à Área de Testes.